Cultura e Arte

A cultura da Arábia Saudita é rica, moldada por sua herança islâmica, seu papel histórico como um antigo centro comercial e suas tradições beduínas.

A sociedade saudita experimentou um tremendo desenvolvimento nas últimas décadas. O povo saudita tomou seus valores e tradições – seus costumes, hospitalidade e até seu estilo de vestir – e os adaptou ao mundo moderno.

A Encruzilhada do Mundo

Localizado no centro de importantes rotas comerciais antigas, o povo árabe foi enriquecido por muitas civilizações diferentes. Já em 3.000 aC, os mercadores árabes faziam parte de uma rede de comércio de longo alcance que se estendia ao sul da Ásia, Mediterrâneo e Egito. Eles serviram como um elo vital entre a Índia e o Extremo Oriente, de um lado, e Bizâncio e as terras do Mediterrâneo, do outro.

A introdução do Islã no século 7 dC definiu ainda mais a cultura da região. Um século depois de seu nascimento na Península Arábica, o Islã se espalhou para o oeste no Oceano Atlântico e para o leste na Índia e China. Promoveu um período dinâmico de grande aprendizado em cultura, ciência, filosofia e artes, conhecido como a “Idade de Ouro” islâmica.

E todos os anos, nos últimos 14 séculos, peregrinos muçulmanos de todo o mundo viajam para locais sagrados em Meca e Medina, enriquecendo ainda mais a cultura da região. Os peregrinos trouxeram marfim da África e tapetes do Oriente, e levaram produtos locais de volta para suas terras natais.

Quando o Reino da Arábia Saudita foi formado em 1932, o rei Abdulaziz bin Abdulrahman se dedicou a preservar as tradições e a cultura árabes, e seus filhos e sucessores fizeram o mesmo.

Tradições Árabes e Islâmicas

As tradições sauditas estão enraizadas nos ensinamentos islâmicos e costumes árabes, que os sauditas aprendem desde cedo com suas famílias e nas escolas.

Os destaques do ano são o mês sagrado do Ramadã e a temporada de Hajj (peregrinação), e os feriados nacionais que se seguem. O mês sagrado do Ramadã, durante o qual os muçulmanos jejuam do amanhecer ao anoitecer, culmina com o feriado Eid-Al-Fitr, no qual é costume comprar presentes e roupas para as crianças e visitar amigos e parentes.

O outro destaque é a temporada do Hajj, durante a qual milhões de peregrinos muçulmanos de todo o mundo vêm a Makkah. A temporada do Hajj termina com o feriado Eid Al-Adha, no qual é tradicional que as famílias abatam uma ovelha em memória da disposição de Abraão de sacrificar seu filho. As tradições árabes também desempenham um papel importante na vida saudita. Essas tradições ancestrais evoluíram ao longo dos milênios e são altamente consideradas. Eles incluem generosidade e hospitalidade, que toda família saudita oferece a estranhos, amigos e familiares. A expressão mais simples de hospitalidade é o café – seu preparo por si só é uma tradição cultural intrincada e costuma ser servido em xícaras pequenas junto com tâmaras e doces. Outro gesto de hospitalidade é a queima de incenso (oud) para receber os convidados.

Patrimônio Arqueológico

A preservação histórica é extremamente importante para a Arábia Saudita. Numerosos projetos de restauração foram realizados para salvaguardar o patrimônio arquitetônico do Reino, incluindo a restauração de edifícios históricos e bairros.

Esses projetos são realizados pelo Departamento de Museus e Antiguidades, que escava, cataloga e preserva sítios pré-históricos e históricos. Em 2003, o departamento foi transferido do Ministério da Educação para a Comissão Suprema de Turismo (SCT), criada em 2000.

Um importante trabalho arqueológico também é realizado pelo Departamento de Arqueologia da Universidade King Saud em Riade.

Um grande projeto de restauração ocorreu em Dariyah, a casa ancestral da família Al-Saud e a capital do Primeiro Estado Saudita. Outros projetos incluem os locais antigos de Fau, Madain Saleh, Al-Ula, Tayma, Duma e ao longo do Darb Zubaydah, a estrada de peregrinação para Makkah.

Como o berço do Islã, o Reino coloca uma ênfase especial na preservação de seu patrimônio arqueológico islâmico. Um grande número de mesquitas ao redor do Reino foram meticulosamente restauradas, incluindo a Mesquita Sagrada em Meca, a Mesquita do Profeta em Medina e mesquitas construídas pelos primeiros califas após a morte do Profeta Muhammad.

Outra forma de o governo saudita mostrar seu compromisso com a preservação de seu patrimônio cultural é restaurando bairros históricos. Trabalhos de restauração foram realizados na antiga área de Qasr Al-Hokm em Riade, bem como nos antigos bairros de Jeddah, Hail e outras cidades sauditas. Este trabalho de restauração foi exibido durante as celebrações de 1999, marcando o centenário da hégira da tomada da Fortaleza Masmak em 1902.

Arquitetura

A Arábia Saudita tem um patrimônio arquitetônico único que se desenvolveu ao longo dos séculos.

Historicamente, os projetos e materiais de construção na Arábia Saudita eram ditados pelo clima, geografia e recursos disponíveis. Por exemplo, os construtores nas áreas centrais preferiram o adobe por sua maleabilidade, disponibilidade e qualidades de isolamento. No oeste da Arábia Saudita, pedra e tijolo vermelho eram comuns, enquanto os construtores de Jeddah usavam coral do Mar Vermelho.

Os arquitetos sauditas contemporâneos estão cada vez mais olhando para esses projetos de construção tradicionais e conceitos islâmicos como inspiração. Esta combinação de tradição com o ultramoderno fortalece a ligação entre um passado acalentado e um futuro inovador.

A Universidade King Saud e o Aeroporto Internacional King Khalid são dois exemplos notáveis ​​de como o design islâmico tradicional e a estrutura moderna podem ser combinados.

A Arquitetura Espiritual dos Minaretes

Os minaretes são as estruturas feitas pelo homem mais visíveis na Arábia Saudita. Eles se projetam do horizonte de cada centro urbano saudita, da menor vila à maior cidade, um testemunho do vínculo de uma sociedade muçulmana com Deus.

O motivo pelo qual os minaretes se erguem acima de todas as estruturas ao redor é para permitir que o chamado à oração seja ouvido pelos habitantes de todas as casas no bairro de uma mesquita. Tradicionalmente, os muezins costumavam subir as escadas até o topo do minarete e chamar os fiéis para orar cinco vezes por dia. O chamado melódico dos muezins podia ser ouvido subindo dos minaretes em todas as cidades muçulmanas.

Hoje em dia, a maioria dos minaretes possui fiação para som e o muezim não é mais necessário para fazer o exigente subir o minarete. Cada mesquita tem pelo menos um minarete, embora dois sejam mais comuns, e os maiores tenham mais, com a Mesquita Sagrada em Meca ostentando 12 magníficos. Eles variam em tamanho de cerca de 6 metros em mesquitas de pequenas aldeias a 360 pés na Mesquita do Profeta em Medina. Alguns são simples, enquanto outros são elaboradamente decorados com pedra e azulejos.

Caligrafia

Datada de 1.400 anos ao primeiro século do Islã, a caligrafia é uma arte reverenciada na Arábia Saudita.

Porque seu assunto principal tem sido historicamente o Sagrado Alcorão, a caligrafia é considerada a forma de arte islâmica por excelência.

Os museus sauditas coletam e exibem manuscritos raros. Outras organizações encomendam trabalhos de caligrafia, fornecem treinamento na forma de arte e realizam concursos para encorajar novas gerações de jovens artistas.

Hoje, a caligrafia é um tema dominante em metalurgia, cerâmica, tecidos de vidro, pintura e escultura em toda a Arábia Saudita e no mundo muçulmano. As inscrições geralmente adornam as paredes internas das mesquitas, bem como escritórios e residências públicas e privadas.

Instituições Culturais

Uma variedade de instituições foram estabelecidas em todo o Reino para preservar a herança cultural da Arábia Saudita.

Um dos maiores é o Departamento de Cultura do Ministério da Cultura e Informação, que patrocina uma ampla gama de programas culturais, incluindo clubes de literatura e teatro, aulas de folclore, eventos de biblioteca, artes e ofícios, bem como projetos de ciência.

Esses clubes cobrem uma variedade de atividades culturais. Nos clubes de teatro, por exemplo, os participantes participam de competições de redação e apresentações como parte de uma equipe. Outros clubes oferecem aos sauditas a oportunidade de desenvolver vários talentos artísticos.

O Departamento de Cultura patrocina regularmente exposições, leituras literárias e simpósios em seus escritórios regionais, bem como em sua sede em Riad. Também patrocina a participação dos sauditas em eventos culturais e artísticos internacionais, incluindo concursos de poesia e redação, bem como exposições de caligrafia e arte.

A Sociedade Saudita para a Cultura e as Artes, fundada em 1972, patrocina artistas sauditas e oferece maneiras para que novos talentos desenvolvam e exibam sua arte. A sociedade estabeleceu uma biblioteca e um centro de informação, bem como o primeiro centro cultural do Reino, localizado em Riade.

Outras instituições que promovem a cultura incluem a Biblioteca King Fahd em Riyadh, que oferece uma das maiores coleções de manuscritos raros da literatura árabe e islâmica e é um centro de pesquisa de primeira linha no Oriente Médio; e a Fundação King Faisal, cujos prêmios internacionais King Faisal incluem um para a literatura árabe. Muitos laureados do Prêmio Rei Faisal passaram a receber outros prêmios internacionais, incluindo o Prêmio Nobel.

O Departamento de Museus e Antiguidades foi criado em 1974. Hoje, existem museus importantes em cada uma das 13 províncias do Reino, bem como muitos pequenos museus privados em todo o país.

O maior museu da Arábia Saudita é o Museu Nacional de Riade, inaugurado em 1999 para comemorar o centenário da tomada da Fortaleza Masmak pelo jovem Abdulaziz, um evento que levou à fundação do moderno estado saudita. Existem também museus privados, como o Museu do Patrimônio Humano em Jeddah.

Música Folclórica e Dança

Uma peça viva da história do país, a música folclórica saudita foi moldada pelos beduínos nômades e pelos peregrinos que trouxeram influências musicais de todo o mundo.

A música varia de região para região – por exemplo, no Hijaz, a música de al-sihba combina poesia e canções da Andaluzia árabe, enquanto a música folclórica de Meca e Medina reflete as influências dessas duas cidades de todo o mundo islâmico.

A dança também é popular entre os sauditas. A dança nacional é a dança da espada masculina conhecida como ardha. Antiga tradição com raízes na área central do país conhecida como Najd, o ardha é uma combinação de cantores, dançarinos de espadas e um poeta ou narrador. Homens carregando espadas se posicionam em duas linhas ou um círculo, com um poeta cantando em seu meio, e executam a dança tradicional.

Poesia

A poesia é especialmente importante para a vida cultural árabe e há muito tempo é considerada uma das expressões mais importantes da arte literária.

Nos dias em que os beduínos viajavam constantemente, a poesia era principalmente uma tradição oral. As pessoas se reuniam em torno de um contador de histórias, que contava contos de amor, bravura, cavalheirismo, guerra e eventos históricos. Isso foi tanto entretenimento quanto uma preservação oral da história, tradições e valores sociais.

O Sagrado Alcorão elevou o amor árabe pela linguagem e poesia a novos níveis. Ele exemplifica o uso perfeito da língua árabe e é considerado o modelo literário definitivo.

A poesia continua popular entre os sauditas hoje. Eles se reúnem em eventos culturais, principalmente no Festival Nacional de Cultura e Patrimônio Jenadriyah, e leem avidamente as obras de poetas consagrados que são impressas na Arábia Saudita todos os anos. Há também um concurso popular de poesia na televisão.

Patrimônio e cultura de Jenadrivah

O evento cultural mais famoso da Arábia Saudita é o Jenadriyah Heritage and Cultural Festival, organizado todos os anos pela Guarda Nacional. Durante duas semanas por ano, o festival oferece a mais de um milhão de sauditas um vislumbre do passado.

Realizado pela primeira vez em 1985, o festival destaca o compromisso do Reino em manter viva a cultura tradicional e o artesanato da Arábia Saudita.

Abrindo com uma corrida de camelo tradicional, o festival inclui quase todos os aspectos da cultura saudita. Artesãos, como oleiros, marceneiros e tecelões, demonstram seu artesanato tradicional em pequenas lojas com típicas varandas cobertas de folhas de palmeira. Os visitantes também podem passear pelo passado em uma vila histórica, que reside permanentemente em Jenadriyah.

Nessas exposições, pode-se observar um ferreiro fabricar uma cafeteira tradicional de latão e cobre. Um entalhador lentamente transforma um pedaço de madeira em uma armação de sela. Os fabricantes de cestos tecem folhas de palmeira e palha em chapéus, cestas e recipientes decorados com desenhos coloridos. Um oleiro, usando uma roda movida a pé, transforma a argila em tigelas e potes de água. O couro é cortado e moldado em sandálias, bolsas e bolsas. Grandes tábuas são cortadas e transformadas em portas e janelas com entalhes e embutidos intrincados.

Os ferreiros aquecem pedaços de ferro em uma fornalha e os martelam em espadas e adagas reluzentes. Um alfaiate costura à mão fios de ouro na gola da capa de um homem. Os joalheiros fundem metais preciosos e montam pedras semipreciosas para fazer pulseiras, colares e brincos complexos. O artesão montou engenhosas roldanas de madeira usadas antigamente para extrair laboriosamente água de poços para irrigar as plantações.

Além disso, trupes folclóricas executam o ardha e outras danças nacionais, enquanto cantores de todo o Reino executam canções e músicas tradicionais. Figuras literárias de todo o país participam de competições de poesia entre poetas contemporâneos recitando versos históricos.

Vestido e joias tradicionais

Os sauditas preferem roupas tradicionais a estilos ocidentais de vestir e geralmente usam adaptações modernas de designs antigos. As roupas tradicionais soltas e esvoaçantes são práticas para o clima quente e ventoso do Reino, e estão de acordo com o ideal islâmico de modéstia.

Homens:

Os homens vestem uma camisa de lã ou algodão que vai até o tornozelo, conhecida como degelo. Em suas cabeças, eles usam um grande quadrado de algodão (ghutra) que é dobrado diagonalmente sobre uma calota craniana (kufiyyah) e mantido no lugar com um círculo de cordão (igaal). O manto externo esvoaçante (bisht), geralmente feito de lã ou pêlo de camelo, completa o traje. Antigamente, o bisht também era usado como cobertor durante as viagens.

Mulheres:

As mulheres costumam usar uma capa externa preta (abaya) sobre o vestido, que pode muito bem ter um estilo moderno. Em suas cabeças, as mulheres sauditas tradicionalmente usam um shayla – um lenço preto transparente que é enrolado em volta da cabeça e preso com aros, chapéus ou joias. Os vestidos tradicionais costumam ser ricamente decorados com moedas, lantejoulas ou apliques de tecido de cores vivas.

Algumas mulheres sauditas usam véus feitos de tecido transparente. A prática de usar véu é antiga, remontando a pelo menos dois milênios, antes do advento do Islã. Em um ambiente árido de deserto, um véu fino oferece proteção contra a exposição constante ao sol, que pode causar danos à pele e aos olhos. Hoje, um véu também é um sinal de modéstia e virtude.

Joalheria

As joias são uma parte essencial da vestimenta árabe há milhares de anos. Mais do que decoração pessoal, as joias simbolizavam status social e econômico. Para os beduínos migrantes, era também uma forma de riqueza e segurança facilmente transportável.

As joias tradicionais eram feitas principalmente de prata, embora também se usasse ouro. Os joalheiros usavam pedras como turquesa, granadas e âmbar das ricas minas do Reino e pérolas e corais das áreas costeiras. Pequenos sinos, moedas e correntes também eram usados ​​para decoração. Os designs evoluíram principalmente da caligrafia e dos motivos islâmicos e apresentavam padrões intrincados de formas geométricas, folhas, crescentes e flores.

Hoje, as mulheres sauditas ainda recebem presentes de joias de seus maridos quando se casam ou têm filhos. Ao contrário de seus ancestrais, que receberam grandes quantidades de pulseiras, anéis, brincos e colares como parte de seu dote, as mulheres sauditas modernas usam joias em designs tradicionais e contemporâneos com diamantes e uma variedade de metais preciosos. As pulseiras de ouro maciço continuam sendo um presente tradicional para as meninas.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/cicibas/www/wp-includes/functions.php on line 4673

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/cicibas/www/wp-includes/functions.php on line 4673