Energia

O setor de energia é a espinha dorsal da economia saudita. O Reino possui um quarto das reservas comprovadas de petróleo do mundo e é o maior produtor e exportador de petróleo do mundo.

A Arábia Saudita também está desenvolvendo seus recursos energéticos adicionais – gás natural que uma vez queimado em poços de petróleo é coletado e usado, e o Reino tornou-se um produtor de produtos petrolíferos refinados e petroquímicos como querosene, óleo diesel e gasolina.

Além disso, com a descoberta de depósitos de metais preciosos e semipreciosos, a Arábia Saudita espera se tornar um grande exportador de minerais nas próximas décadas.

A Arábia Saudita tem tomado medidas para expandir o setor de energia e estimular maiores investimentos, principalmente de empresas estrangeiras. Em maio de 2000, o Conselho Supremo de Petróleo e Minerais (SCPM) – que supervisiona a maximização dos recursos naturais – anunciou a decisão de permitir o investimento estrangeiro no setor de gás e nas indústrias downstream.

A Arábia Saudita continua investindo no setor de energia. Em setembro de 2006, o Reino anunciou planos para US $ 70 bilhões em programas de petróleo e gás durante cinco anos.

Eletricidade

A Arábia Saudita tem uma enorme rede de distribuição de eletricidade que se estende a cidades, vilas e aldeias em todo o país. Sua rede consiste em 8.750 milhas de linhas de transmissão, 52.000 milhas de linhas de distribuição e mais de 53.000 milhas de conexões de serviço.

O Reino também usa usinas de dessalinização para gerar eletricidade usando o vapor que é um subproduto do processo de dessalinização. O Reino gera mais de 26.300 MW de eletricidade, 2.800 MW dos quais são produzidos pelas usinas de dessalinização. A Arábia Saudita eventualmente planeja aumentar a eletricidade produzida por essas usinas de dessalinização para igualar a metade da produção total.

A Saudi Electric Company (SEC) gerencia as instalações existentes de geração, distribuição e entrega de energia, bem como o investimento em novas usinas gerais. Totalmente propriedade dos acionistas, a SEC também define o preço da eletricidade vendida aos consumidores e à indústria de acordo com as regras estabelecidas por um órgão regulador com base no custo de produção, distribuição e serviços.

Gás

A Arábia Saudita possui vastas reservas de gás natural – dissolvido, associado e não associado – que utiliza como fonte de energia ambientalmente correta para uso urbano e industrial.

As principais instalações industriais também usam gás como matéria-prima para a produção de petroquímicos, fertilizantes, aço e outros produtos que, por sua vez, alimentam um próspero setor industrial.

A exploração dos recursos de gás natural do Reino continua em andamento. Os principais depósitos foram descobertos na Província Oriental perto de Abqaiq e a sudoeste do campo de petróleo de Ghawar.

Até a década de 1970, a maior parte do gás natural produzido no Reino estava associado à produção de petróleo bruto e era queimado no poço. Um projeto ambicioso conhecido como Master Gas System permitiu à Saudi Aramco coletar o gás e enviá-lo por todo o país.

A Arábia Saudita também promove ativamente o investimento estrangeiro em gás natural. Em julho de 2003, foi assinado um acordo com a Royal Dutch / Shell e a francesa Total para desenvolver operações de gás upstream no Bairro Vazio (Rub ‘al-Khali). Em março de 2005, contratos adicionais foram assinados para dois grandes projetos de petróleo e gás.

Mineral e Mineração

A Arábia Saudita possui recursos valiosos além de petróleo e gás. Já em 1000 AC, ouro, prata e cobre eram extraídos da famosa mina Mahd Al-Dhahab cerca de 180 milhas a nordeste de Jeddah.

A introdução de métodos modernos de mineração e extração tornou mais uma vez a mina um grande produtor de metais preciosos.

Projetos de exploração nas últimas duas décadas revelaram extensos depósitos de minerais preciosos e industriais em todo o país. Isso inclui não apenas ouro e prata, mas também cobre, estanho, tungstênio, níquel, cromo, zinco, chumbo, fosfatos, minério de ferro, bauxita, minério de potássio e até sal de cozinha.

O Reino também está sondando os sedimentos ricos em minerais no fundo do Mar Vermelho para exploração comercial, com planos de processá-los no complexo industrial de Yanbu.

A mineradora saudita Maaden embarcou em um projeto para extrair fosfato no norte e processá-lo em uma fábrica de fertilizantes perto de Jubail. A conclusão deste projeto está prevista para 2008. Enquanto isso, Maaden está em processo de privatização de suas atividades, começando com a operação de mineração de ouro.

O Ministério do Petróleo e Recursos Minerais identificou 1.270 fontes de pedras preciosas e 1.170 fontes de outros minerais, e emite um número crescente de concessões de mineração e exploração.

Nos últimos anos, também foram tomadas medidas para incentivar um maior envolvimento do setor privado no desenvolvimento do setor de mineração. Isso inclui incentivos para investimento de empresas nacionais e estrangeiras e serviços de apoio destinados a facilitar o desenvolvimento de minerais.

Óleo

A Arábia Saudita é o maior produtor e exportador mundial de petróleo e possui um quarto das reservas mundiais conhecidas de petróleo – mais de 260 bilhões de barris. A maioria está localizada na Província Oriental, incluindo o maior campo onshore em Ghawar e o maior campo offshore em Safaniya, no Golfo Pérsico.

As refinarias sauditas produzem cerca de 8 milhões de barris de petróleo por dia e há planos de aumentar a produção para cerca de 12 milhões de barris por dia.

Como o maior produtor e exportador mundial de petróleo, a Arábia Saudita desempenha um papel único na indústria global de energia. Suas políticas de produção e exportação de petróleo, gás natural e derivados de petróleo têm grande impacto no mercado de energia, bem como na economia global. Ciente dessa responsabilidade, a Arábia Saudita está empenhada em garantir a estabilidade de suprimentos e preços.

O Reino agiu repetidamente em tempos de crise – como a Crise do Golfo de 1990-91, a guerra do Iraque em 2003 e as flutuações do mercado no final dos anos 1990 – e cobriu qualquer queda no fornecimento de petróleo aumentando sua produção. Desta forma, a Arábia Saudita evitou grandes choques para a economia global de uma perda de oferta ou aumentos bruscos de preços.

A história do petróleo na Arábia Saudita

A história do petróleo da Arábia Saudita remonta a 1933, quando o rei Abdulaziz bin Abdulrahman Al-Saud concedeu à Standard Oil of California (Socal), posteriormente rebatizada de Chevron, o direito de prospectar petróleo no novo Reino.

Em 1938, Socal descobriu grandes quantidades de petróleo no Dammam Dome, perto do Golfo Pérsico. As exportações limitadas começaram em 1939 e aumentaram significativamente com o fim da Segunda Guerra Mundial.

No final da década de 1940, a Socal firmou um consórcio com outras petrolíferas americanas e passou a se chamar Arabian American Oil Company (Aramco). Na década de 1970, a Arábia Saudita havia se tornado o maior produtor e exportador de petróleo do mundo.

A indústria do petróleo saudita entrou em uma nova era em 1980, quando o governo assumiu a propriedade total da Aramco, renomeando-a como Saudi Aramco. A empresa começou a explorar áreas antes intocadas e descobriu grandes depósitos de petróleo bruto de alto teor. A Arábia Saudita continua a encontrar novos campos – como um descoberto a 175 milhas a sudeste de Riade em 20 de abril de 2005.

OPEP

A produção de petróleo da Arábia Saudita varia de acordo com a situação do mercado e as diretrizes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Criada em 1960, a OPEP unifica as políticas do petróleo entre seus países membros e garante a estabilidade nos mercados internacionais de petróleo, eliminando flutuações de preços.

Como membro fundador da OPEP e seu maior produtor, a Arábia Saudita tem um papel de liderança na orientação da organização para promover a cooperação em questões de energia, muitas vezes atuando como a principal força moderadora da OPEP.

Ao longo dos anos, o Reino ajudou a prevenir crises de mercado que ameaçavam prejudicar tanto os produtores de petróleo quanto os consumidores. Por exemplo, durante a crise do Golfo de 1990-91, os mercados globais perderam quatro milhões de barris por dia de suprimentos de petróleo bruto do Iraque e Kuwait. A Arábia Saudita respondeu imediatamente aumentando a produção e evitou o que poderia ter sido uma queda desastrosa no fornecimento global.

O Reino fez ajustes semelhantes em sua produção durante outras épocas de turbulência que ameaçaram o fornecimento global de petróleo, como as flutuações do mercado no final da década de 1990, a guerra do Iraque em 2003, agitação trabalhista na Venezuela, interrupções no fornecimento na Nigéria e conflitos entre o gigante do petróleo russo Yukos e o governo russo.

Refinando

A Arábia Saudita tem nove complexos de refino que produzem gasolina, combustível e óleo diesel, gás liquefeito de petróleo, querosene e outros derivados de petróleo para o mercado interno e para exportação.

Consideradas entre as mais avançadas tecnologicamente do mundo, essas refinarias produzem uma produção de oito milhões de barris por dia de derivados de petróleo, a maior parte para exportação.

O Reino continua investindo em suas refinarias. Em maio de 2005, a Saudi Aramco anunciou planos para uma nova refinaria em Yanbu com uma capacidade prevista de 400.000 barris por dia de produtos petrolíferos. Também estão em andamento planos para uma nova refinaria em Jubail, que também deve ter uma capacidade de 400.000 barris por dia.

A Arábia Saudita entrou em operações downstream em outros países, incluindo Coréia do Sul, Filipinas, Grécia, Índia e China. Motiva – uma joint venture entre a Shell Oil Company e a Saudi Refining Inc. – refina, distribui e comercializa derivados de petróleo nos Estados Unidos.

Energia solar

A Arábia Saudita também está procurando fontes alternativas de energia, incluindo a energia solar. O Reino recebe a luz solar mais intensa do mundo – 105 trilhões de quilowatts-hora por dia, o que é aproximadamente o equivalente a 10 bilhões de barris de petróleo bruto em termos de energia.

A energia solar também é uma fonte de energia apropriada para uso em locais remotos. Por exemplo, ele é usado para alimentar telefones e sinais de emergência ao longo de vastas extensões de estradas desertas.

Cientistas da Cidade King Abdulaziz para Ciência e Tecnologia (KACST) estão trabalhando em projetos inovadores para tornar a geração de energia solar mais viável economicamente.

Outros programas enfocam a utilização de energia solar para dessalinização de água, agricultura e geração de hidrogênio. As aplicações projetadas para a energia solar incluem usá-la para abastecer bombas de água, geladeiras, condicionadores de ar, aquecedores e equipamentos de comunicação, bem como para operar unidades anticorrosão de dutos em áreas remotas.