Agricultura e Água

O desenvolvimento agrícola da Arábia Saudita nas últimas três décadas tem sido surpreendente. Grandes áreas desérticas foram transformadas em campos agrícolas – uma grande conquista em um país que recebe uma média de cerca de dez centímetros de chuva por ano, uma das taxas mais baixas do mundo.

Hoje, a Arábia Saudita exporta trigo, tâmaras, laticínios, ovos, peixes, aves, frutas, vegetais e flores para mercados em todo o mundo. As tâmaras, que já foram um alimento básico da dieta saudita, agora são cultivadas principalmente para a ajuda humanitária global.

O Ministério da Agricultura é o principal responsável pela política agrícola. Outras agências governamentais incluem o Saudi Arabian Agricultural Bank (SAAB), que distribui subsídios e concede empréstimos sem juros; e a Organização de Silos de Grãos e Moinhos de Farinha, que compra e armazena trigo, constrói moinhos de farinha e produz ração animal. O governo também oferece programas de distribuição e recuperação de terras e financia projetos de pesquisa.

O setor privado tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento agrícola do Reino. Isso se deve principalmente a programas governamentais que ofereceram empréstimos de longo prazo sem juros, serviços técnicos e de apoio e incentivos, como sementes e fertilizantes gratuitos, água, combustível e eletricidade de baixo custo, e importações de matérias-primas isentas de impostos e máquinas.

Historicamente, a agricultura na Península Arábica foi limitada principalmente à agricultura de data e à produção de vegetais em pequena escala em oásis amplamente dispersos, exceto em uma pequena faixa costeira no sudoeste. Pequenos lotes produziam comida suficiente para as comunidades locais, e o restante era vendido para caravanas que passavam.

O desenvolvimento agrícola sério começou na década de 1970. O governo lançou um amplo programa para promover a tecnologia agrícola moderna; estabelecer estradas rurais, redes de irrigação e instalações de armazenamento e exportação; e encorajar instituições de pesquisa e treinamento agrícola.

Como resultado, houve um crescimento fenomenal na produção de todos os alimentos básicos. A Arábia Saudita agora é totalmente autossuficiente em uma série de alimentos, incluindo carne, leite e ovos.

A água, é claro, é a chave para a agricultura na Arábia Saudita. O Reino implementou com sucesso um programa multifacetado para fornecer o vasto suprimento de água necessário para alcançar o tremendo crescimento do setor agrícola.

Uma rede de represas foi construída para capturar e utilizar valiosas enchentes sazonais. Vastos reservatórios de água subterrânea foram explorados por meio de poços profundos. Usinas de dessalinização foram construídas para produzir água doce do mar para uso urbano e industrial, liberando assim outras fontes para a agricultura. Também foram implantadas instalações para tratar o escoamento urbano e industrial para irrigação agrícola.

Esses esforços coletivamente ajudaram a transformar vastas áreas do deserto em terras férteis. A terra cultivada, com menos de 400.000 acres em 1976, atingiu milhões de acres no século XXI.

Conquistas agrícolas

A década de 1970 marcou o início de um sério desenvolvimento agrícola no Reino.

O governo lançou um amplo programa para promover a tecnologia agrícola moderna; estabelecer estradas rurais, redes de irrigação e instalações de armazenamento e exportação; e encorajar instituições de pesquisa e treinamento agrícola.

O resultado foi um crescimento fenomenal na produção de todos os alimentos básicos. Com quantidades substanciais de carne, leite e ovos, a Arábia Saudita é agora totalmente autossuficiente em uma série de alimentos.

O aumento da produção de alimentos provocou um declínio proporcional nas importações de alimentos; e de fato a Arábia Saudita agora exporta trigo, tâmaras, laticínios, ovos, peixes, aves, vegetais e flores para mercados em todo o mundo.

A criação intensiva de laticínios, carnes, aves e ovos foram introduzidos no início do programa e, já em 1985, as fazendas locais estavam atendendo à demanda doméstica por muitos produtos anteriormente importados. O Reino agora possui algumas das maiores e mais modernas fazendas leiteiras do Oriente Médio. A produção de leite apresenta uma taxa anual extraordinariamente produtiva de 1.800 galões por vaca, uma das mais altas do mundo.

Embora a produção de peixes por meio da pesca tradicional ao largo da costa esteja constantemente aumentando, o Reino está explorando maneiras de aumentar ainda mais sua captura e encorajar um maior investimento privado.

Uma das novas áreas em que o setor privado está investindo com apoio do governo é a aquicultura. O número de fazendas de peixes, seja usando currais no mar ou tanques em terra, tem aumentado constantemente. A maioria está localizada ao longo da costa do Mar Vermelho da Arábia Saudita. A criação de camarões tem sido particularmente bem-sucedida. A National Shrimp Company ‘Al-Rubian’, por exemplo, tem uma fazenda ao sul de Jeddah administrada por hidro-biólogos sauditas e engenheiros marinhos, cujo camarão, incluindo o tigre preto preferido, é exportado principalmente para os Estados Unidos e para o Japão.

A realização agrícola mais dramática do Reino, observada em todo o mundo, foi sua rápida transformação de importador em exportador de trigo. Em 1978, o país construiu seus primeiros silos de grãos. Em 1984, tornou-se autossuficiente em trigo. Pouco tempo depois, a Arábia Saudita começou a exportar trigo para cerca de trinta países, incluindo China e a ex-União Soviética, e nas principais áreas produtoras de Tabuk, Hail e Qasim, a produtividade média atingiu 3,6 toneladas por acre.

Além disso, os agricultores sauditas cultivam quantidades substanciais de outros grãos, como cevada, sorgo e milheto. Hoje, no interesse de preservar os preciosos recursos hídricos, a produção de trigo e outros grãos foi consideravelmente reduzida.

O Reino, entretanto, aumentou a produção de frutas e vegetais, melhorando as técnicas agrícolas e as estradas que ligam os agricultores aos consumidores urbanos. A Arábia Saudita é um grande exportador de frutas e vegetais para seus vizinhos. Entre suas safras mais produtivas estão melancia, uva, frutas cítricas, cebola, abóbora e tomate. Em Jizan, no sudoeste bem irrigado do país, a Estação de Pesquisa Al-Hikmah está produzindo frutas tropicais, incluindo abacaxi, mamão, banana, manga e goiaba.

Essa transformação agrícola alterou a dieta tradicional do país, fornecendo uma diversidade de alimentos locais inimagináveis ​​há algumas gerações. As datas não são mais o alimento básico para os sauditas que eram no passado, embora ainda constituam um importante suplemento alimentar. Grande parte da produção anual de tâmaras, estimada em cerca de meio milhão de toneladas e compreendendo cerca de 450 tipos diferentes, é usada como ajuda humanitária internacional.

Várias fábricas, incluindo uma em Al-Hasa, se dedicam inteiramente à produção de tâmaras para ajuda externa e doam dezenas de milhares de toneladas de tâmaras a cada ano para aliviar a fome e a escassez de alimentos, principalmente por meio do Programa Mundial de Alimentos (PMA) do Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO). Muitos países se beneficiaram diretamente da ajuda alimentar da Arábia Saudita oferecida por meio do PMA, e o Reino Unido só perde para os Estados Unidos em contribuições para o programa.

Programas Governamentais

O progresso feito pelo setor agrícola da Arábia Saudita nos últimos anos deve-se em grande parte a uma série de programas governamentais, incluindo o fornecimento de empréstimos sem juros e serviços técnicos e de suporte.

O setor agrícola também se beneficiou de água, combustível e eletricidade de baixo custo, além de importações isentas de impostos de matérias-primas e maquinários. Os parceiros de joint-venture estrangeiros de indivíduos ou empresas sauditas estão isentos do pagamento de impostos por um período de até 10 anos, e os regulamentos de investimento em vigor desde abril de 2000 oferecem incentivos adicionais.

A principal agência responsável pela implementação da política agrícola é o Ministério da Agricultura, que fornece pesquisa e assistência de extensão aos agricultores. Outra agência de apoio é o Saudi Arabian Agricultural Bank (SAAB), que distribui subsídios e concede empréstimos sem juros. A Organização de Silos de Grãos e Moinhos de Farinha foi fundada em 1972 para comprar e armazenar trigo, construir moinhos de farinha e produzir ração animal para apoiar o crescimento nacional da agricultura.

Para estimular o investimento privado no setor agrícola, a Arábia Saudita alocou recursos financeiros substanciais para melhorar as estradas que ligam as áreas de produção aos mercados consumidores.

Além disso, o programa de distribuição e recuperação de terras, lançado em 1968, visa distribuir gratuitamente os pousios, principalmente em pequenas parcelas, como forma de aumentar a área de cultivo e estimular a produção agropecuária. Os beneficiários são obrigados a desenvolver um mínimo de um quarto da superfície da terra dentro de dois a cinco anos. Após o cumprimento, a propriedade total da terra é transferida para o agricultor.

No âmbito dos Planos de Desenvolvimento, o governo continua a ajudar os novos agricultores na implementação de projetos de capital intensivo, com ênfase especial na diversificação e maior eficiência.

Para aumentar a produtividade agrícola, o governo também financia e apoia projetos de pesquisa voltados para a produção de novas safras de alimentos para aumentar a colheita e desenvolver linhagens de plantas com maior resistência a pragas. Esses programas são conduzidos em cooperação entre agricultores locais e cientistas em instalações de pesquisa agrícola em universidades e faculdades da Arábia Saudita.

Recursos hídricos

A Arábia Saudita é um país deserto, sem rios ou lagos permanentes e com muito pouca chuva. A água é escassa e extremamente valiosa e, com o rápido crescimento do país, a demanda por água está aumentando.

O Reino, portanto, buscou formas inovadoras de fornecer água suficiente para apoiar seu desenvolvimento. Todos os assuntos de água são tratados pelo Ministério de Águas e Eletricidade.

Os aquíferos são uma importante fonte de água na Arábia Saudita. Eles são vastos reservatórios subterrâneos de água. Na década de 1970, o governo empreendeu um grande esforço para localizar e mapear esses aquíferos e estimar sua capacidade. Como resultado, foi capaz de perfurar dezenas de milhares de poços tubulares profundos nas áreas mais promissoras para uso urbano e agrícola.

Outra grande fonte de água é o mar. Isso é feito por meio da dessalinização, um processo que produz água potável a partir da água salobra do mar. A Arábia Saudita é o maior produtor mundial de água dessalinizada.

A Saline Water Conversion Corporation (SWCC) opera 27 estações de dessalinização que produzem mais de três milhões de metros cúbicos por dia de água potável. Essas plantas fornecem mais de 70 por cento da água usada nas cidades, bem como uma parte considerável das necessidades da indústria. Eles também são uma importante fonte de geração de energia elétrica.

As barragens são usadas para capturar a água de superfície após inundações frequentes. Mais de 200 represas coletam cerca de 16 bilhões de pés cúbicos de escoamento anualmente em seus reservatórios. Algumas das maiores barragens estão localizadas em Wadi Jizan, Wadi Fatima, Wadi Bisha e Najran. Essa água é usada principalmente para a agricultura e é distribuída por milhares de quilômetros de canais de irrigação e valas para vastas extensões de terra fértil que antes estavam em pousio.

Uma fonte de água em expansão é o uso de água reciclada. O Reino pretende reciclar até 40% da água usada para fins domésticos em áreas urbanas. Para tanto, usinas de reciclagem foram construídas em Riade, Jeddah e outros grandes centros industriais urbanos. A água reciclada é usada para irrigação de campos agrícolas e parques urbanos.